segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

BNE

BNE 12.10.09 from ANIMALnewyork.com on Vimeo.









Joshua Bright for The New York Times

The graffiti phenomenon B.N.E. painting a version of his trademark tag on a Manhattan warehouse wall. More Photos >


Published: December 8, 2009

The man in the hooded sweatshirt and cargo pants was not recognizable, but the three letters he was rendering as a 15-foot mural on the wall of a Hell’s Kitchen building certainly were: B.N.E

This mischievous monogram, posted by marker, spray can, roller and especially stickers, has become part of the landscape of New York and cities worldwide, thrilling graffiti admirers and roiling public officials. Its saturation has provoked one of the more enduring Internet mysteries: What and who is B.N.E.?

After a thorough interrogation of the suspect over the weekend ... well, he would not really say. In what he said was his first interview with a journalist, the man in the hooded sweatshirt said he was responsible for this viral dissemination of the three-lettered puzzle, but refused to divulge his name, age or many details about his background and method, for fear of arrest. He also refused to have his face photographed or to say what B.N.E. stands for. His initials, perhaps?

“Let’s just say it has a meaning that’s personal to me,” he said, acknowledging the conjecture online: Breaking and Entering, Bomb Nuclear Explosion. “At this point, it means whatever you need it to mean.”

The postcard-size stickers bearing the three simple black letters are affixed to mailboxes, phone booths, signs, walls, parking meters and streetlights, mostly in New York and Japan, but also in Bangkok, Prague, Hong Kong, Kuala Lumpur. He goes through 10,000 stickers a month. In 2006, B.N.E. so blanketed San Francisco that the city’s mayor, Gavin Newsom, offered a reward of $2,500 for information leading to his capture.

In relentlessly spreading his tag, B.N.E. follows graffiti writers with nicknames like Taki, Revs and Cost. The idea is to leave one’s mark in as many places as possible, in wry, brash and mischievous ways — a process known as “getting up.”

This weekend, B.N.E. was not spray-painting surreptitiously, but creating a sanctioned mural on a concrete wall in a temporarily vacant building at 595 11th Avenue, near 44th Street. It is part of an exhibition of his work that opens Thursday, sponsored by Mother, a Manhattan advertising agency.

“B.N.E. has single-handedly created a globally recognized and valued brand in the new social economy,” Mother officials said in a news release. “His presence in Flickr photo galleries and YouTube pages dwarfs that of many multinationals.”

But Peter F. Vallone Jr., of Queens, chairman of the City Council’s Public Safety Committee, condemned the show. “This isn’t even someone who’s decided to go legitimate,” he said. “This is an unrepentant criminal who has cost honest taxpayers a lot of money, and he’s profited from it.”

The show itself is a taunt, featuring metal plates and canvases with the B.N.E. tag stamped over images of Mickey Mouse, Bart Simpson, Spider-Man and Bugs Bunny.

“I don’t see other graffiti writers as my competition anymore,” B.N.E. said. “Now I’m going up against the Tommy Hilfigers, Starbucks, Pepsi. You have these billion-dollar companies, and I’ve got to look at their logos every day. Why can’t I put mine up?”

The interview was arranged by Bucky Turco, the editor of Animal, an online magazine, who is helping B.N.E. produce the show. B.N.E. said he would skip the opening party because police officials routinely showed up at such events with video cameras and handcuffs. Anyway, he is heading to South America to blanket another city.

Daytime is for scouting: What are the most trafficked areas? How intense is the enforcement? Do local officials clean their phone booths, or will a tag there last? Nighttime is for tagging, to avoid being seen or photographed.

No, B.N.E. said, he has never been arrested. Yes, he said, he has been chased and shot at by outraged citizens, including the gutsy old man in a Madrid suburb who kicked him in the rear end and yelled at him to get lost.

Yes, he uses only prepaid disposable cellphones. No, he never takes pictures of the work, travels with stickers or paint equipment, or saves anything to his laptop. Yes, his mother thinks he is crazy (she is one of a few family members and old buddies who know he is the man behind B.N.E.)

“You kind of isolate yourself, living this life,” he said. “You meet a girl and she asks, ‘What do you do?’ and right way, you have to lie.”

B.N.E. said he was in his early 30s and funded his tagging through part-time jobs — again, no details. His accent and knowledge of local artists suggests he is from New York. He said he began 15 years ago painting in the old-school graffiti style of flashy lettering, then simplified his style and, 10 years ago, started with stickers.

“I can’t do 500 tags in a day, but I can do 500 stickers,” he said.

Designed with illustrating software and printed on vinyl, the stickers have an iron-grip adhesive. “This is my voice, and if you try to remove it, you’re shutting me up,” he said. The font is the serious-looking Helvetica Neue Condensed. Once, on City Island, he said with a chuckle, workers carefully painted around the stickers as though they had an official purpose.

“I’ve always rebelled against authority,” B.N.E. said. “Like any kid, I wanted to write the whole neighborhood. Most kids like that would then want to go out and do the whole city. In my case, I wanted to do the whole planet.”

Speaking of the planet, Mr. Turco showed a photograph of a huge B.N.E. mural, in a Japanese suburb, that he said was “visible from space.”

Asked how he could prove he was in fact the guy putting the mysterious moniker everywhere, the man in the hooded sweatshirt and cargo pants seemed delighted at yet another layer of mystery. Sure, anyone could use the same graphics and impersonate him for an art show. One could only wait to see if the real B.N.E. would emerge.

“If someone was having a show of my work without me,” he said, “I know I’d show up and cause some problems.”


in: http://www.nytimes.com/2009/12/09/nyregion/09bne.html?_r=1&partner=rss&emc=rss

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

doc - stencilarte

CAPÍTULO 1 - O QUE É STREET ART

video

  • contradições na explicação do termo street art
  • vantagens e desvantagens do uso do stencil
  • demonização do graffiti
  • existe um reconhecimento real do que é street art?

CAPÍTULO 2 - PERCURSO HISTÓRICO

video

  • os murais de Abril
  • stencil político
  • evolução da street art ao longo das últimas décadas
  • os pioneiros da street art
  • cultura urbana emergente
  • ponto de ruptura na arte contemporânea
  • movimentos anti-graffiti

CAPÍTULO 3 - NOVOS MEDIA

video

  • passado académico
  • artistas de destaque e referências
  • internet (impulsionadora da street art)
  • união e troca de conhecimento

CAPÍTULO 4 - DESIGN E STREET ART

video

  • estilos individuais / imagens de marca
  • design gráfico & street art
  • graffiti corporativo
  • street art absorvida pela sociedade de consumo
  • street art nas galerias


CAPÍTULO 5 - ESPAÇO PÚBLICO

video

  • espaço público
  • casas devolutas
  • legitimidade de intervenção sobre propriedade privada e pública
  • publicidade e street art
  • poluição visual / massificação dos media

mais em: stencilarte.blogspot.com

vsp 08 - video clip

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

terça-feira, 24 de novembro de 2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Museu (do rum) Efemero

É importante trazer à luz alguns esclarecimentos sobre o que é o Museu Efemero, ainda bem que é a propria agencia (Leo Burnett) que se orgulha de apresentar esses esclarecimentos.


quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Bairro Alto, Contrato de limpeza e manutenção 2010


Para quem tiver paciência, está disponivel o edital do concurso e respectivo caderno de encargos do Contrato de limpeza e manutenção 2010 para o Bairro Alto.

checkar: aqui

Faço o apelo para todos os que quiserem aproveitar para registar a atmosfera ainda existente e ou eventualmente algumas obras especificas, que o façam até Janeiro de 2010!

Conto com todos para me apoiarem a continuar a lutar pelos aspectos positivos que são postos em causa com esta reabilitação, minorando ao maximo as suas consequencias de perda de uma das referências mais importantes no contexto da Arte Urbana (street art, graffiti) no contexto internacional.

sábado, 24 de outubro de 2009

Artigo da reuters

não consigo deixar de fazer o reparo que é impressionante o modo como a comunicação social funciona actualmente, estas mega empresas de informação têm um poder incrível, o suficiente para o artigo ter sido impresso e publicado em todo o mundo (literalmente).

o original:
http://www.reuters.com/article/lifestyleMolt/idUSTRE59F2Y120091016?sp=true

um exemplo do exótico:
http://www.kuwaittimes.net/read_news.php?newsid=MTEzMDE3ODg5Nw==

Discussões interessantes na invicta sobre Graffiti

É importante que se discuta principalmente antes de agir. Parece que não é assim que está a suceder na cidade do Porto.

Rapidamente iram chegar à conclusão de que limpeza sem critério e sem estratégia em colaboração com os principais actores locais a médio longo praso a limpeza será um gasto de recursos sem reflexo duradouro na vivência das zonas em causa.

http://www.porto.taf.net/dp/search/node/graffiti

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

à 10 anos


in 1999 - first international meeting in Portugal - http://www.graffiti.org/figm/

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

GAU premiada em congresso internacional

A iniciativa GAU foi premiada em Barcelona.

O prémio Prémio Ignasi de Lecea atribuido pelo PAUDO-Public Art and Urban Design Observatory, no contexto do VI Waterfronts of Art International Conference, organizada pela Universidade de Barcelona.

ver mais: http://www.cm-lisboa.pt/?idc=136&idi=43295

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Google maps (street view)


Ver mapa maior




Ver mapa maior

2002...

Writer Uber (excertos de uma entrevista de 17 de Janeiro de 2002, no âmbito de realização da tese de licenciatura em Sociologia - "Do outro lado do muro: produção de laço social numa comunidade graffiter" - por Catarina Dias)

Uma fonte de inspiração como artista e, essencialmente, como ser humano…

Motivações
Porque é que eu comecei?... Para me sentir útil, queria mostrar o meu trabalho... a várias pessoas... Queria ser reconhecido pelo meu trabalho e não pela pessoa que sou... Queria expor o meu trabalho, queria que o meu trabalho fosse reconhecido... mas que não me identificassem... a mim, à pessoa (...) epá... útil no sentido de ser útil... de sentir que podia mudar alguma coisa, que eu contribuía, percebes?... Que eu estou presente, estou cá!... Estou a contribuir com o que eu sei fazer de melhor, percebes?... tipo... Eu tenho a capacidade de decorar, de trazer um bocado de alegria! (…)
Eu tentava sempre que tivessem o seu elemento cómico... pá sempre, sempre! A sério!... Pá... é claro que, por exemplo, o meu primeiro graffiti se calhar não tinha esse elemento cómico porque eu ‘tava a almejar uma certa realização... porque é um bocado difícil associares o querer dar alegria às pessoas, com um estatuto de respeito, percebes?... É muito difícil conciliares essas duas coisas... tipo seres um bom entertainer e ao mesmo tempo teres um estatuto porreiro. (…)
Uma das coisas que me levou a fazer graffitis foi a necessidade de intemporalizar a minha pessoa (...) e o graffiti é a forma mais imediata e mais acessível a um jovem de 16 anos de conseguir que isso aconteça.

Graffiti

Dentro da cultura hip hop, o graffiti são os desenhos que estão nas paredes, é uma expressão gráfica de uma juventude oprimida... Pá não sei... eu não sei definir graffiti... pá... são mijinhas de cão, são suspiros de alívio... sei lá! (…)
Eu continuo a achar que o graffiti é a forma de arte mais espontânea e mais verdadeira existente neste momento... porque sinto que a arte, só pela arte, não tem significado, ou seja, fazeres uma pintura para poderes vendê-la numa galeria e meteres na sala de uma pessoa que tem dinheiro p’á comprar e... pronto só p’a decorar um bocado a sala da pessoa... hum... não tem significado, quer dizer, é continuares a ser um escravo, é continuares a ser um executante... e não um pensante.
Por outro lado, há a parte... crime ou reivindicativa que é o lado mais puro e verdadeiro do graffiti... e da arte... que eu acho que é o que tem mais significado. (…)
E as coisas são como são, quer dizer, é espontâneo!... Faz parte da natureza, é como uma planta: a semente cai na terra, chove e a planta cresce... entre o passeio, pronto... o homem pôs lá o passeio, tudo bem, p’ás pessoas passar mas... se cair lá a semente, a planta irá crescer... e... eu acho que o graffiti é um bocado isso! (…)
Eu acho que o graffiti é uma forma espontânea!... se não tivesse sido eu era outro qualquer e é um bocado como a tal flor que nasce entre o passeio, percebes?... E daí o... eu achar que é a arte por excelência!... percebes? É completamente natural, não tem um objectivo concreto de obter o lucro de alguma forma ou o de acomodar a qualquer coisa... é simplesmente querer ficar e ganhar espaço no passeio e, se for preciso, levantar algumas pedras da calçada!... (…)
Porém, pessoalmente, acho que... p’lo menos nesta fase da minha vida... acho que ‘tá a começar um bocado… mesmo a nível nacional e a nível internacional... acho que essa erva, que ‘tá a nascer entre o passeio, deixou de ser uma erva selvagem... porque (...) algumas pessoas que puseram lá o passeio, ‘tá a achar piada à erva... e então ‘tá a meter adubo na erva... Ou seja, apareceram lojas e fomenta-se uma cultura à volta, que não é só espontânea, quer dizer, surgiu logo uma série de situações à volta (...) que desvirtuam um bocado essa essência natural que o graffiti podia ter. Eu acho que neste momento ‘tá completamente desvirtualizado, não... pah já não tem aquela... quer dizer, eu acho que o sonho já se foi... um bocado aquela história... pronto, e daí eu já não acreditar nessa erva. (…)
Talvez um dia encontre esse momento p’a me meter em mais um cantinho, percebes?... E talvez nasça mais uma flor natural, percebes?... Mas prefiro andar um bocado sobre o passeio e fazer parte um bocado da sociedade e... tentar-me construir como uma pessoa que anda de pé no passeio... para depois um dia encontrar a minha fenda no passeio e meter lá a minha ervinha e deixá-la brotar naturalmente…

Legal ou ilegal?
Fui sempre bastante flexível em relação a isso!... Porque o legal e o ilegal p’ra mim tinha a ver com o confronto, de estar a ofender alguém ou não, percebes?... Tipo não me importava que fosse... imagina que era um reservatório d’águas completamente a cair de podre... mesmo que fosse ilegal, eu não tinha problema nenhum em pintar lá!... Mas se fosse uma escola secundária toda novinha e não sei quê e se me pedissem p’ra pintar lá sozinho e não sei quê, se calhar eu não pintava!... Nunca tive uma atitude de contestação só por contestar, tive sempre a atitude... a tal história de tentar embelezar um bocadinho!... Mas o porquê de quando fazia ilegal era... pá era essa história de tentar embelezar, basicamente!... Epá tudo bem... houve umas certas alturas, que são as tais que eu me arrependo, que me deixei influenciar e que tentei manter um certo nome, porque eu dentro do meio era reconhecido como o gajo que fazia os bonequinhos mais cómicos e mais giros e não sei quê tipo tinha um estilo de letras muito arrojadas e era muito bem reconhecido por isso!... tipo ‘ya, ya, ele é muita bom nisso, mas a fazer bombing não é muito bom!’... e eu senti que tinha uma falha na minha personalidade como graffiter, faltava-me essa vertente e então epá um bocado influenciado p’lo meio todo, houve uma altura que fiz um bocado desse tipo de coisas pá mais p’a colmatar essa minha vertente... tipo ‘ya, ya, ele é bom em todos os aspectos, ele é um graffiter completo!’... Isto foi p’aí aos 18!... os THC ‘tavam a acabar e eu comecei a ver que, se calhar p’a ser aceite pelo outro grupo, tinha de ser um graffiter completo p’a ser respeitado e... comecei a fazer assim coisas mais rápidas que... pá se calhar não era uma fotografia tão bonita, mas que ficava ali, ‘teve marcado, ‘ele ‘teve lá, ele é muita bom também a fazer isto!’, percebes?...

Vai haver uma tentativa da sociedade engolir o graffiti?
Vai, completamente!...só que a parte... pronto, como tu podes ver, ‘tá completamente banalizado o graffiti... já se fazem entrevistas a todo o tipo de gente com um graffiti como cenário... já faz parte! O graffiti já é uma coisa totalmente incutida... p’ra bem ou p’ra mal!... Hum...agora, daí a ser bom... percebes?... Ele já é tipo aceite, percebes?... Já faz parte!... As pessoas já sabem que há uma cidade, há graffitis. Já não é tipo ‘ai que horror! Que é isto? Que cidade é esta toda escrita?’... Quer dizer, isso já não existe, todas as cidades têm graffiti e faz parte mesmo... Agora daí a ser aceite... do género ‘ ai que bonito, esta cidade tem graffiti!’... Duvido, percebes?... Aí duvido bastante!... Quer dizer, há uma aceitação do facto que há graffitis... porque as pessoas já deixaram de acreditar em cidades que não tenham graffitis... mas há uma aceitação de uma situação desagradável... protagonizada por essas mesmas pessoas, quer dizer... se calhar não foram elas que fizeram, mas foram os filhos ou os amigos dos filhos ou... se calhar um bocado derivado delas ‘tarem a trabalhar em vez de ‘tarem a dar atenção aos filhos delas, não é?... ...

Futuro do graffiti
Acho que o graffiti nunca vai ser aceite e isso é ponto assente!... p’lo menos a vertente mais selvagem, mais real do graffiti nunca vai ser aceite porque há-de ser sempre contestação, há-de ser sempre ir contra o que é aceite (...)... Se essas partes não são aceites, quer dizer que ‘tão a conseguir cumprir o seu objectivo p’a não ser aceites e ‘tão a conseguir marcar a sua posição, ‘tão a interferir, ‘tão a molestar... um monstro enorme que é a sociedade... que é o que é! (…)
Concretamente em relação ao graffiti, eu acho que sim... que vai continuar a existir... principalmente em certos ambientes, em certas zonas e... cada vez mais tendo p’ra ser do centro das metrópoles para a periferia (...) principalmente na Europa, as cidades ‘tão em decomposição... de dentro para fora... e um dos sinais dessa decomposição é o graffiti, definitivamente! (…)
O graffiti já é uma coisa totalmente incutida... p’ra bem ou p’ra mal!... hum... agora, daí a ser bom... percebes?... ele já é tipo aceite, percebes?... já faz parte!... (…)
Todas as cidades têm graffiti e faz parte mesmo (...) Se calhar as pessoas não gostam, mas eles têm de estar lá porque as pessoas... não mudam as coisas por eles ‘tarem lá, não ‘tão a fazer nada em relação a isso... o graffiti não ‘tá a conseguir mudar a sociedade, mas não é a sociedade que também vai conseguir mudar o graffiti porque... a sociedade só consegue mudar o graffiti, se a própria sociedade mudar!!!

Por Catarina Dias

terça-feira, 14 de julho de 2009

Renovation














Vou fechar para reflexão.

Closing for reflexion.

domingo, 28 de junho de 2009

Vhils 1st solo show

http://www.lazinc.com/content//pdf/2009-07/vhils_pressrelease.pdf

terça-feira, 23 de junho de 2009

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Banksy at Bristol City Museum

http://www.guardian.co.uk/artanddesign/gallery/2009/jun/12/banksy-bristol-art-exhibition?picture=348798024

quinta-feira, 18 de junho de 2009

terça-feira, 26 de maio de 2009

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Big can! (grande lata)

Tgging news in Portugal:

http://www.ionline.pt/conteudo/5049-ate-onde-vai-lata-um-tagger

quinta-feira, 14 de maio de 2009

terça-feira, 12 de maio de 2009

sábado, 18 de abril de 2009

LisbonSafari






















projecto GRRAU agora passa por aqui: lisbonsafari.blogspot.com
The GRRAU projecto it's at the moment also here: lisbonsafari.blogspot.com

quarta-feira, 15 de abril de 2009




hoje numa loja de decoração em Lisboa,
uma personalidade afavel Alexandre, veio de São Paulo para decorar a loja...
podem ver as fotos na revista Caras.

É incrível como os extremos se tocam, sem tocar a realidade quotidiana de todos nós...

quarta-feira, 8 de abril de 2009

terroirgraffiti/


check

http://sites.google.com/site/terroirgraffiti/

mtv barreiro dia 4

Um pequeno motor fashion está a rolar...
cuidado com eles, pois são bons rapazes

http://www.flickr.com/photos/36979284@N04/sets/72157616327385075/show/

obrigado marta filipa

quinta-feira, 2 de abril de 2009

(anti) MTV - the rebel sell

Image...


No próximo dia 4 de Abril, sábado, entre as 16 e as 23 horas, o Forum Barreiro vai ser palco do evento Barreiro by MTV - FROM GREY TO RAINBOW.

- ok tudo bem, MTV a colar-se via Multi-Mall Management

Com o objectivo de transformar o monocromático parque de estacionamento numa criativa mistura de cor, a MTV Portugal e a Multi-Mall Management unem-se e prometem uma tarde onde a arte urbana e a música combinam na perfeição.

- combinanço perfeito, e viva o consumo que a contra cultura alimenta!

Ao rubro, no piso -2 vão estar Makongo, DJ Glue, DJ Kwan e Live Customization com Mosaik, Hayes, Add fuel to the fire e Graffiti Jams protagonizados pelos street masters do momento: Paris, Wize, Klit, Mar e Tota.

- gente respeitavel

a proposito,
anti MTV wall,
vale a pena: www.blublu.org/sito/walls/2005/big/035.jpg

terça-feira, 31 de março de 2009










Hey,
"Não perguntes o que o Graffiti pode fazer por ti , pergunta sim o que tu podes fazer pelo Graffiti"
Visual works by MAR

DIA 16 DE ABRIL, POR VOLTA DAS 19H .....

quinta-feira, 26 de março de 2009









Ingo Giezendanner

Competition, urban s o s




Valor de Inscrição:
Grátis
Links
: urbansos

Este concurso internacional de ideias está aberto a estudantes de todo o mundo e desafia os participantes a enfrentarem questões existentes relacionadas com um espaço urbano á sua escolha, focando a sua resolução ao nivel social, ambiental, económico e espacial.

Portuguese graffiti History





terça-feira, 24 de março de 2009

penis















An 18-year-old has secretly painted a 60ft drawing of a phallus on the roof of his parents' £1million mansion in Berkshire. It was there for a year before his parents found out. They say he'll have to scrub it off when he gets back from travelling.

from here

Lisboa - Chiado


















Passando pelo Chiado.

Passing by Chiado...

http://cidadanialx.blogspot.com

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Graffiti & Politica

(sory only portuguese)

Trabalho perto do Mercado da Ribeira em Lisboa, e de uma noite para a outra todas as entradas do mercado foram pulverizadas com tinta vermelha filtrada por um "stencil", marcado a clássica imagem da foice e martelo com a sigla PCP por baixo.

Esta acção foi claramente pensada para chegar a um determinado publico alvo (todos aqueles que frequentam o mercado) que salvo alguns turistas à procura de aventuras, maioritariamente constitui-se por uma freguesia pobre e indigente.

Os requintes da comunicação revestem-se de grande conhecimento do poder da mesma, seja a um nível cognitivo consciente ou inconsciente, com a precisão das marcas estarem à altura do olhar e com a repetição sistemática de se encontrarem em todas as entradas sem excepção obteve-se a garantia de que ninguém que entre e saia do mercado veja o símbolo cada vez que o faça.

À que reconhecer que foi uma acção comunicativa bem concretizada, de baixos recursos, totalmente eficiente em termos de target, e... talvez um pouco fora da lei.

Na pedra onde é mais difícil retirar (danificando para sempre o material) ou na tinta as marcas lá estão, impunes, com o beneplácito daqueles que diabolizam os miúdos rebeldes de comportamentos desviantes, que simplesmente quem estar na moda, ou porque realmente têm algo importante a dizer... pessoal, criativo e não destrutivo.